Você sabe como funciona a investigação de paternidade?

Existem inúmeros casos de crianças que nascem e não são reconhecidas pelo pai biológico ou então a mãe deixa de informar na hora do registro. Isso pode ocorrer por inúmeras hipóteses, como por exemplo, o pai se recusar a filiar a criança, não ser casado com a mãe ou então, ser desconhecido. Isto posto, o cartório de registro de nascimento deverá informar o Ministério Público que em seguida irá tentar entrar em contato com a mãe e com o suposto pai tendo o objetivo que o reconhecimento da paternidade ocorra de maneira rápida e amigável. No entanto, nem sempre isso acontece e então é necessário iniciar um processo de ação judicial. Quando o suposto pai se recusa a realizar o exame de DNA – método mais eficaz para comprovar se existe um vínculo paterno – presume-se que é ele o pai biológico, até que prova ao contrário. Caso o suposto pai não seja encontrado, será necessário que a parte investigante comprove, através de testemunhas, a existência de um relacionamento afetivo entre a mãe e o pai da criança.